26/02/11

Um pequeno aviso, este poema é ficticio, para além de não ter idade para conduzir.


Quando te conheci eras apenas o “puto”, nada mais
Nem te ligava grande coisa, conhecia-mos-nos...
Ao longo do tempo fomos aproximamo-nos, tornamo-nos amigos

Tinhas graça, podia contar contigo para a “galhofa”,
Nunca passou disso,
Amizade, companheirismo,

De alguma maneira sabia,
Dava para adivinhar,
De alguma maneira o “puto” acabou com todos os meus namoros
Todos sabiam expecto eu que gostavas de mim

Nesse momento foi tarde demais,
Começou apenas por ser um capricho e depois, que se pode dizer?
Parece que é assim que funciona o amor...

O primeiro beijo que partilhamos foi magico,
O melhor presente de aniversario que me deram,
Adorei cada segundo.

Mas não posso continuar a viver nas memórias,
Tenho de seguir em frente,
Tenho de esquecer a todo o custo as terríveis memórias da noite de junho,

Lembras-te?
Estava a conduzir,
Ia-mos para uma festa,
Depois vi uns faróis fortes demais e....
Acordei no hospital,
E tu não estavas lá

Desculpa, a culpa foi minha,
Estas...
Não consigo dize-lo...
E a culpa é minha.
 

7 comentários:

dannó disse...

a música é lindaa

Gonçalo disse...

Adorei o texto..mesmo aserio :)

Ghost Writer disse...

Muito bom. Foi a Miriame que escreveu?
Bonito mesmo.

AnaSousa disse...

Mesmo lindo :)

dannó disse...

de nada (:
bem verdade (:

maria disse...

adorei _;o

dannó disse...

olha quem fala querida :)